27 de set de 2011

Impérios e Multidões.





Tradução Livre do Google, com algumas correções minhas.


Ao fim do texto comentário do FRANCOORP.



IMPÉRIOS E MULTIDÕES.

Na virada entre 2010 e 2011 rebeliões têm-se proliferado em todos os cantos do planeta. Da crise financeira à União Europeia os preços elevados dos alimentos na Índia e na China, ter aberto fissuras profundas dentro do sistema global, e tem ainda explosão afiada das ruas árabes.

No "Google mapa" você pode encontrar um mapa dos tumultos relatados, manifestações, ou quedas de governos que já ocorreram ou estão ocorrendo no mundo ("Inflação tumultos e protestos de 2011"): ver o "mundo" cheio de fogo já nôs demonstra a verdadeira extensão do que está acontecendo.

Na virada entre 2010 e 2011 - bem antes da explosão da primavera árabe - temos testemunhado um número crescente de rebeliões em todos os cantos do planeta, milhares de pessoas se manifestaram em Nova Deli contra o governo pelos preços dos alimentos; no Iraque contra o Al-Maliki  e a corrupção do governo, o desemprego e a falta de serviços básicos; no Irã contra o regime dos aiatolás, mas também por salários atrasados.



Na província chinesa de Guizhou foram revoltas estudantis graves, devido ao aumento dos preços da merenda escolar. Síria e Jordânia têm aumentado (com resultados diferentes) os subsídios dos alimentos para manter os preços artificialmente baixos. Os gregos têm protestado contra uma austeridade extremamente violenta, transformaram os habitantes de Madison, Wisconsin, bem como "indignado" estudantes Espanhol e Inglês contra o aumento nas taxas da universidade. Especialmente na Grã-Bretanha são cada vez mais cidadãos, organizados em um movimento de base, ocupando cargos de bancos e corporações, para protestar contra o que percebem como uma espécie de evasão fiscal legalizada apreciado por empresas globais, enquanto as pessoas estão impostas encargos insuportáveis. Pegamos emprestado a famosa metáfora de Toni Negri, estaríamos diante de uma rejeição visceral contra o capitalismo global: uma "multidão molecular" contra o "império global", com os protagonistas da crise da democracia de massa e sua transformação radical no instrumento de uma verdadeira libertação da humanidade.



O fato de que o protesto é dirigido contra os governos e regimes seria a conseqüência do fato de que eles se colocaram em estado de falência virtual para ajudar os bancos, em vez de apoiar as pessoas afectadas pela crise causada pela finança global. A intensidade e a extensão desses fenômenos têm apanhado desprevenido em sua maior parte a maioria dos observadores, não que as advertências foram perdidas, mesmo autoritária, mas não conseguiu superar a mídia conformista. Já em dezembro de 2008, o Banco de Compensações Internacionais (BIS) advertiu contra fazer ainda mais resgates de bancos grandes, explicando que tais operações foram feitas através da transferência dos riscos das ricas entidades privadas pelos para os estados, com o perigo de transformar a crise financeira em uma crise social e política: os bancos centrais, tendo sobre tudo os problemas dos bancos em dificuldade por causa dos títulos tóxicos derivados, têm, de facto o perigo em seus respectivos países. Apenas o aumento do dinheiro dado, em particular pelo Federal Reserve e bancos centrais da China e Índia, juntamente com a especulação, seria a causa primária do aumento dos preços alimentares a nível mundial.

As pessoas estão estreitas entre os aumentos de preços da inflação e as medidas de austeridade que os governos impõem para enfrentar a crise. Em conversa de fevereiro 2009 a Moody disse que a agitação social é iminente em vários países. E em novembro de 2010, um estudo da Army War College advertiu que as Forças Armadas devem se preparar para "deslocamento, e violento estratégica nacional dentro dos Estados Unidos", com a "violência generalizada civil" e "perda de Funcionamento da ordem política e jurídica", causas do "colapso económico". Dennis Blair, chefe da Inteligência Nacional, por sua vez falou de "instabilidade capaz de ameaçar a regimes nos países em desenvolvimento", incluindo aquelas devido a "crise econômica global." Em junho de 2010, Zbigniew Brzezinski, advertiu que "não haverá aumento de conflitos entre classes, e se as pessoas estão desempregadas, você terá tumultos." Ele acrescentou: "nós vivemos em uma época em que a humanidade como um todo tornou-se mais politicamente conscientes e politicamente ativos em um nível até então desconhecido, e está condição irá causar turbulência internacional grande." Estas posições estão resumidas e refletida no último relatório da ONU, que afirma que as receitas do liberalismo global aplicada de forma dogmática acaba precisamente por produzir - lê a crise social - Relatório sobre a Situação Social Mundial de 2011: "Revolta social global", que os governos devem levar em conta "as políticas económicas actualmente aplicadas têm efeitos sobre a saúde, educação e alimentos, que reduzem o crescimento de longo prazo." Os alimentos e aumentos de preços de combustível, causada em parte pela especulação selvagem, têm aumentado o número de pessoas famintas no mundo, que em 2009 aumentaram a um bilhão e ainda está crescendo. Em 2010, o número de pessoas desempregadas em todo o mundo subiu para 200 milhões, e ainda ficaram sem ajuda e assistência.



Para contrariar este desenvolvimento terá direito "políticas socialmente inclusiva" para recuperar os excluídos e os perdedores. Esta foi claramente uma aceleração poderosa depois da explosão da rua árabe. Um evento em frente da qual foram cristalizados três posições. De acordo com o primeiro, expresso pelo analista de política internacional autoritário Robert D. Kaplan, o rompimento do Oriente Médio seria apenas o começo: no Iêmen, Jordânia, Bahrein e Arábia Saudita poderão provar ainda desastrosas revoltas democráticas para os interesses EUA. Você pode criticar a monarquia saudita como era, mas quem e o que irá substituí-lo? Levar ajuda para os xiitas no Bahrein ou os adversários do regime no Iêmen ameaça alienar aliados-chave, "perspectivas muito mais incertos estão surgindo em outros lugares na região, será refletido na substancialmente enfraquecido quando o reservatório de tirania será erodida. Além do caso quota da Líbia, novas provas e crucial são iminente no futuro. Os Estados Unidos são uma democracia, mas também um poder fundado sobre as relações de poder determinadas, cuja posição mundial se baseia na suposição de que o mundo continua como está. " Sua conclusão é que "a ordem é sempre preferível à desordem. Lembrar o que aconteceu no Iraque desde a queda de Saddam Hussein. " É então, estariam abrindo rachaduras profundas em um sistema que seria perder o controle e influência sobre as grandes fatias do mundo. Esta visão apocalíptica está em contraste com Fukuyama, que a aspiração das massas em tumulto seria para aderir aos nossos valores: os mercados, democracia, modernidade e liberdade.

Ele é ecoado por Michael Ledeen, afirmando que estaríamos enfrentando "uma insurgência global que exige mais liberdade e menos governo". Outra posição é ver como a primavera árabe como algo análogo à revoluções coloridas na Europa Oriental. Em particular, o jornalista escreveu que Obama Marcello Foa, com outros métodos, o mesmo iria lutar a guerra de Bush para exportar a democracia. "Como você vencer as guerras na era da globalização? Movendo exércitos? Às vezes sim, mas o resultado nem sempre é satisfatória e os custos muitas vezes superam os benefícios. Sabe algo sobre George Bush, que em 2001 se uniram contra o Taliban no Afeganistão e Saddam no Iraque em 2003. Estamos em 2011, os conflitos ainda continuam e a vitória final não está garantida. Se os Estados Unidos tinham usado outros métodos, provavelmente teria salvo milhares de vidas e muitos bilhões de dólares, e gostaria de obter resultados mais concretos e duradouros. Ela aprendeu a lição de que Barack Obama, que está realmente lutando a mesma guerra, Bush, no sentido de que ele compartilha os objetivos estratégicos.

O que queria George W. Bush? Exportar a democracia e, sobretudo, substituir regimes decadentes no Oriente Médio, governado por líderes impopulares, regimes com os líderes mais respeitados e mais confiável. Pense nisso: é exatamente o que Barack Obama pretende no Egito e na Tunísia. O que muda é o método. " Assim, para o atual ocupante da Casa Branca seria optar pela continuação das técnicas utilizadas na Ucrânia, Geórgia e Sérvia na primeira metade do século XXI. "Lembre-se os protestos estudantis em Belgrado que forçou Milosevic a fugir? E da Revolução Laranja dramático em Kiev? E que se levantaram contra Shevardnadze? Então a mídia está animado, exaltando a vingança do povo já sabe - os documentos na mão - que os tumultos não foram espontâneas em tudo, mas cuidadosamente preparados e cuidadosamente mexidos por empresas privadas com relações públicas, agindo em nome do Departamento de Estado. Washington tinha percebido que, agindo com o devido cuidado, a praça poderia ser usado em sua vantagem. O mesmo está acontecendo nas últimas semanas na Tunísia e Egito. Não se limite às declarações oficiais, alguns são obrigatórios e fazem parte de um jogo de festa. Pergunte a si mesmo... Quem decidiu a primeira revolta, e agora de Tunis até o Cairo? O Exército, que se recusou a abrir fogo sobre a multidão, legitimando as exigências dos manifestantes. E a quem são ligados os lideres militares egípcios e tunisianos? Firmemente aos Estados Unidos. Quem está no comando agora no lugar de Ben Ali? Os generais, democrático em suas intenções, mas ainda geral. Tudo (...), se encaixa perfeitamente... Hoje!

Amanhã, quem sabe, porque na Tunísia, a influência dos fundamentalistas islâmicos é impalpável, enquanto a Irmandade Muçulmana no Egito são muito populares no passado demonstraram a capacidade de mover os quadros, usando armas se necessário. Isso faz com que o final mais incerto, mas não altera a análise global. " Apenas para condicionar o jogo final, a cúpula do G8 na cidade de Deauville Proust deu uma indicação clara da geopolítica. O presidente francês, Sarkozy anunciou um maciço "Plano Marshall" de ajuda financeira aos países do Magreb e da "primavera árabe", com um compromisso de US $ 20 bilhões, enquanto outros 20 poderiam vir de países árabes do Golfo e bancos de desenvolvimento.


Mais uma vez o mundo está repleto de revoltas populares, pessoas descontentes e ainda crise econômica por todos os cantos... e a humanidade deve procurar uma forma para alimentar seus habitantes, e vendo tudo o que acontece com a disparada dos preços dos alimentos, combustíveis, vestiário, serviços e tudo mais pelo mundo devemos nós perguntar a que ponto a humanidade está chegando, será realmente possível ter bilhoes de pessoas vivendo nesse planeta ou será que já alcançamos seu limite??? O Problema é somente politico como nos dizem ou tem algo mais por traz disso tudo??

Muitos dizem que o Planeta está bem, são as relações humanas que estão mal, revoltas pela democracia não quer dizer exatamente que todos terão o que comer ou onde estudar uma vez que as ditaduras caírem... o problema pode ser mais que dinheiro ou politica, pode ser uma coisa de recursos naturais mesmo a questão da inflação global... quanto menos oferta maior o preço de venda do produto...

Alguns dizem que ainda temos novas tecnologias para descobrir e novas formas de produção de alimentos também, como os Geneticamente Modificados, mas vendo que hoje tudo aumenta de preço poderia ser somente reflexo da falta de produção atual e isso poderia ser contornado com mais fabricas pelo mundo, todas verdes e novas fontes de energia, e ainda industrias de reciclagem capazes de transformar os aterros sanitários em coisa do passado, onde tudo é reciclado virando matéria prima novamente... mas temos ainda tempo para isso?? A Humanidade vai sobreviver a esse período duro onde os recursos mais preciosos foram usados para salvar Bancos e empresas quebradas??? O Mundo vai cair realmente em uma "Revolta Global" como dizem alguns analistas nessa matéria???

Parece que temos muito o que ver ainda nestes anos 10 do século XXI, e assim preparar-se para o Futuro da Humanidade. Mas uma coisa é certa, os potentes de hoje não serão os patrões de amanhã, novos impérios e novas multidões viverão em um mundo cheio de conflitos para se apropriar dos recursos básicos à sobrevivência humana, tenha revoluções ou não!

Valeu!!


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário