2 de dez de 2011

Fim do mundo: Morte por CO2






6425272205_eec64819da(2)
Crédito: Courtesy Charles Henderson.


TEMA: CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Postagem de TEXTO.

No final da Matéria comentário do Francoorp.

A maior extinção em massa da Terra transformou o planeta em um inferno.
Pela primeira vez, paleontólogos determinaram exatamente quando e a que velocidade surgiu o avô de todas as extinções em massa, e suas descobertas apontam um culpado: uma gigantesca e duradoura injeção de dióxido de carbono da atmosfera. Parece familiar?
É claro que o dióxido de carbono ancestral não era gerado por carros e fábricas, mas por enormes erupções vulcânicasincêndios florestais e até mesmo pela combustão de veios de carvão incendiados pela lava fervente.
Durante o fenômeno, o aumento dos gases do efeito-estufa elevou as temperaturas globais, acidificou os oceanos e os privou de oxigênio, entre outras consequências nefastas. Obviamente, a vida sofreu um grande revés. A estimativa mais aceita até o momento sugere que 90% de todas as espécies marinhas pereceram.



O novo estudo, publicado esta semana na Science, analisa esta estatística sob uma perspectiva nova e rigorosa: no auge da crise, por volta de 252,28 milhões de anos atrás, e ao longo de pelo menos 20 mil anos, o planeta perdia 3% de suas espécies a cada milênio.
“Se continuássemos a perdê-las naquele ritmo por mais 20 mil anos, não estaríamos aqui para falar sobre isso”,  declarou o paleontólogo Charles Henderson, da Universidade de Calgary em Alberta, Canadá, ao Discovery Notícias.
Henderson integra uma equipe internacional de cientistas, liderada por Shu-zhong Shen, do Instituto Nanjing de Geologia e Paleontologia da China, que analisou a grande crise biológica conhecida como extinçãopermiana. Ela ocorreu milhões de anos antes das colisões cósmicas que prepararam o terreno para os dinossauros.
Durante anos, o cálculo padrão da extinção permiana inferia que 90% da vida na Terra havia desaparecido, mas este número era apenas uma extrapolação estatística. Nenhum estudo havia considerado mais do que um punhado de amostras simultaneamente, explica Henderson.
O novo estudo levou em consideração as mudanças e o desaparecimento de um total de 1.485 espécies, incluindo criaturas semelhantes a enguias chamadas conodontes e vários animais terrestres. A equipe também se valeu do grande avanço das técnicas de datação para determinar as idades absolutas dos fósseis.
Uma importante conclusão do estudo – que despertava polêmica até recentemente – é que as extinções terrestres e marinhas ocorreram ao mesmo tempo.
Curiosamente, esta nova análise da extinção permiana não corrobora a tese dos 90 por cento. “Se observarmos a curva de riqueza de espécies, a extinção foi de apenas 60%”, explica Henderson.
Mas não é preciso reescrever as manchetes. A extinção permiana ainda é a pior que o planeta já sofreu – até agora.


FONTE:DISCOVERY CHANNEL.


Sempre o Dióxido de Carbono como o vilão moderno da humanidade... mas o CO2 é importantíssimo para a vida na terra principalmente para as plantas e Vida marinha dos Oceanos!!

O ponto é calcular a quantidade necessária para que o mundo viva saudavel com o seu CO2, mandar o grosso do excesso para as profundezas da terra de onde ele nunca deveria ter saído, mesmo estando misturado no Petróleo e no Carvão, e usar uma parte do excedente para a produção de bio combustíveis, mas não em cana de açúcar, mas em algas marinhas!!

Essas algas marinhas absorvem ainda mais CO2 que a cana de açúcar, precisam de menos espaço para sua cultivação, e ainda produz uma boa quantidade de óleo para se produzir Álcool como Bio-diesel, e praticamente não produz resíduos durante o processo de produção. O Ciclo ficaria continuo, o CO2 produzido pela queima dos biocombustíveis seria absorvido pelas algas marinhas e essas seria transformadas novamente em biocombustível.

Uma coisa é certa, quanto mais CO2 nós tirarmos dos depósitos de combustíveis fosseis das profundezas da terra, mais comprometeremos a nossa sobrevivência com o especie, ja que esse CO2 que tiramos hoje do subsolo é o mesmo CO2 que estava aqui durante o período das grandes erupções vulcanicas que geraram tanta destruição, e assim estaríamos simplesmente trazendo de volta esse CO2 para nossa atmosfera, e isso realmente é preocupante, pra não dizer estupido!

Valeu!!
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário