20 de fev de 2014

Poemas e Poesias 7: POLÍTICA



AUTOR: Manoel Guilherme de Freitas.
TIPO: Texto.
PASTA: Educação e Artes (Acima nos Cabeçalhos)

Mais um poema do Poeta Manoel de Freitas que nos traz um tema muito atual, principalmente nas redes sociais invadidas por ódio, rancor e desafetos políticos, principalmente por perfis fake de agencias marqueteiras pagas pra fazer toda essa pregação vazia sem propostas, jogo sujo acusatório e ainda cheias de figurinhas pra lavagem cerebral do eleitor!

O Poeta sabe o que fala!!

Política



Esta terra me consome,
por  justiça social,
as leis são inoperantes,
E só trazem o mal.

Como explicar impunidade política.
Dessa gente associal,
Roubando-nos dinheiro público,
sem  que o povo veja o mau,
e acabam absolvidos,
neste país tropical.

Assalto aqui, ali,
Mas isso pouco importa,
Diante da realidade cruel,
que o cidadão suporta,
fome, exclusão e miséria,
restam-lhes apenas tais portas.

Brasília, de faz-de-conta,
capital da utopia,
onde o povo sempre sofre
com liberdade tardia,
sem poder fazer nada,
Diante da hierarquia.

As mãos ficam atadas,
Diante da covardia,
do suposto cidadão, que roubou a luz  do dia,
Se o país fosse sério, a cassação acontecia.



Como explicar Brasília,
Isso aconteceu lá,
Sem que houvesse rebeldia,
participação popular,
Como ficam os cidadãos,
que residem cá/lá.

Manoel Guilherme de Freitas. 

Aluno especial do PPGEL/UFRN/Doutorado. 
Mestre em Língua Portuguesa. Bolsista da CAPES/PIBID/UERN. 
Professor ensino médio/Língua Portuguesa. Poeta.


Estará no livro: TRILHAS DO IMAGINÁRIO POÉTICO.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário