11 de set de 2010

Foguete Ucraniano Custará R$ 1 Bi ao Brasil






CLAUDIO ANGELO

ENVIADO ESPECIAL A Alcântara
11/09/2010
A empresa criada por Brasil e Ucrânia para lançar satélites da base de Alcântara deve custar ao país quase R$ 1 bilhão. O valor é dez vezes maior do que o estimado inicialmente para o capital da parte brasileira da empresa, cerca de R$ 100 milhões.
Especialistas ouvidos pela Folha têm apontado que, com a escalada de custos e com o tamanho limitado do mercado de lançamentos comerciais de satélites, a empresa pode ficar deficitária por até duas décadas.
Os custos incluem a construção do sítio de lançamento do foguete ucraniano Cyclone-4 no CLA (Centro de Lançamentos de Alcântara), no Maranhão, orçado em R$ 519 milhões.
Esse valor é o capital brasileiro da empresa. Um aporte de igual monta é esperado da Ucrânia, país que enfrenta dificuldades financeiras após a crise de 2008.
Além disso, há obras dentro e fora do CLA que servirão à binacional ACS (Alcântara Cyclone Space) e que são de responsabilidade do governo brasileiro.
Entre elas estão um porto e uma estrada no valor de R$ 180 milhões; construções que servirão tanto ao CLA quanto à ACS, de R$ 110 milhões; e obras dentro do próprio sítio do Cyclone de R$ 145 milhões.
Segundo o diretor de Licenciamento da AEB (Agência Espacial Brasileira), Nilo Andrade, a agência já pediu crédito suplementar para essas ações, além do previsto na proposta de Orçamento da União para 2011.


ATIVO TÓXICO
Um ponto polêmico das obras que o Brasil fará no sítio do Cyclone é a construção de um depósito de combustível para o foguete ucraniano, orçado em R$ 35 milhões.
Esse combustível, a hidrazina, é tóxico e não é usado pelos foguetes brasileiros.
A responsabilidade de pagar pelo depósito era da ACS, mas a empresa transferiu a conta para o Brasil, com anuência da AEB. A ACS, que teve sua pedra fundamental lançada anteontem pelo ministro Sergio Rezende (Ciência e Tecnologia), prevê iniciar as operações em 2012.
CONTRA O TEMPO
Será uma corrida contra o tempo: as obras no sítio ainda não começaram, nem o foguete está pronto.
Abandonados pelos seus parceiros russos na fase de desenvolvimento, os ucranianos tiveram de refazer o sistema de controle do Cyclone-4 com tecnologia própria.
Segundo o diretor ucraniano da empresa, Oleksandr Serdyuk, o sistema novo já foi testado com sucesso, mas faltam US$ 70 milhões para completar o foguete, que devem vir de bancos europeus.
"O problema agora não é o lançador, é o sítio de lançamento", disse.

Mesmo iniciando as operações no prazo, não há clareza ainda sobre que fatia do mercado a ACS abocanharia.
Rezende diz que a empresa fará de quatro a cinco lançamentos por ano. O diretor brasileiro da ACS, o ex-ministro Roberto Amaral, fala em seis. Segundo ele, a empresa começaria a dar retorno em seis anos, cobrando até US$ 50 milhões por lançamento.
Um ex-diretor da ACS, João Luiz Azevedo, fez outra conta na reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, em julho.
Segundo ele, os custos crescentes da empresa e o mercado reduzido fariam com que a ACS ficasse 28 anos deficitária. Outros partilham sua opinião.
A principal limitação é o fato de que 40% dos satélites do mundo são americanos. Como o Brasil não tem um acordo de salvaguardas tecnológicas com os EUA, a ACS ficaria vedada a essa fatia.
"Tudo é arriscado", afirmou Rezende sobre montar uma empresa mesmo sem mercado garantido.
Ele considera que a ACS vale o risco por ser estratégica. Ela daria a chance ao país de ter um foguete próprio, já que há uma promessa da Ucrânia de repassar tecnologia do Cyclone ao país e o VLS-1 não servirá para lançar os satélites brasileiros.
O ministro afirmou que pretende propor um novo acordo com os EUA, só para a área de satélites.
O jornalista CLAUDIO ANGELO viajou a convite do MCT






Não vejo este um Bilhão como custo mas como investimento, esta parceria com a Ucrânia não tem muita tecnologia envolvida, alias não se fala próprio em transferência de tecnologia para a AEB, esta empresa é uma parceria para o lançamento de satélites no mercado internacional, tentando ganhar fatias do mercado utilizando os vetores Ucranianos na base de lançamento brasileira, que devido à sua aproximação a linha do Equador reduz os custos de lançamento de uns 30% em média.


Mas mesmo assim esta parceria faz com que a Agencia Espacial Brasileira adquira alguma pratica com vetores espaciais, tais como o manuseio, o transporte, o controle de missão, abastecimento e re-abastecimento de foguetes, como devem ser as estruturas compatíveis com os vetores, etc.


Valeu!!
FRANCOORP
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário